fbpx
Rua Alfredo Cunha, 225, Piso 1, Sala 5, 4450-023 Matosinhos
(+351) 910 562 189
geral@ipafasia.pt

O que é a Afasia?

A afasia é uma perturbação da comunicação decorrente do comprometimento adquirido das modalidades de linguagem, afetando a participação e a qualidade de vida da pessoa com afasia e a qualidade das suas relações com familiares e amigos.11, 15

A afasia mascara as competências de quem a apresenta, e afeta o seu funcionamento em todos os relacionamentos, papéis e atividades da vida, influenciando assim a sua inclusão e conexão social, o acesso a informações e serviços, a igualdade de direitos e o seu bem-estar na família, na comunidade e na cultura. 16

A pessoa com afasia poderá ter dificuldade em se expressar quando fala, em compreender o que outros dizem e/ou em ler e escrever. A afasia poderá ainda dificultar a capacidade da pessoa para compreender e/ou usar os gestos. A afasia não afeta a inteligência.7

A principal causa da afasia é o AVC sendo que 20% a 40% dos AVCs resultam em afasia aguda.2 No entanto, outras causas possíveis são: tumores cerebrais, traumatismos crânioencefálicos (TCE), infeções ou outras lesões cerebrais.13

Nos casos em que a afasia surge devido a uma doença degenerativa estamos perante outro tipo de afasia, a Afasia Progressiva Primária (APP).12

Em Portugal, por hora, três portugueses sofrem um AVC dos quais, sobrevivem 2 terços (dados da SPAVC). Metade dos sobreviventes de um AVC poderão ficar com afasia para toda a vida.8,2 Neste contexto, o IPA calcula que surjam todos os anos cerca de 8000 casos novos em Portugal.

Sabe-se, que nos EUA existem quase dois milhões de pessoas com afasia, mais de 150.000 em Espanha, 250.000 em França e 370.000 em Inglaterra. Tendo Portugal uma das taxas de AVC mais elevadas da União Europeia, através de extrapolações estatísticas, o IPA calcula que a prevalência de pessoas com afasia em Portugal ronde os 40.000.

Portugal é o sexto país da Europa que mais gasta com a doença vascular cerebral. Os custos, diretos e indiretos, atingem, de acordo com um relatório de 2013, 2,5 milhões de euros anuais.9

Para ler mais informações sobre afasia, carregue aqui.

  1. Brown, K., Worrall, L., Davidson, B. & Howe, T. (2012). Living successfully with aphasia: A qualitative meta-analysis of the perspectives of individuals with aphasia, family members, and speech-language pathologists. International Journal of Speech-Language Pathology, 14: 141-155.
  2. Engelter, S.T., Gostynski, M., Papa, S., Frei, M., Born, C., Ajdacic-Gross, V., et al. (2006). Epidemiology of aphasia attributable to first ischemic stroke: incidence, severity, fluency, etiology, and thrombolysis. Stroke, 37: 1379–84.
  3. Garcia, E. & Connor, L. T. (2011). Understanding Barriers and Facilitators to Participation in People With Aphasia: A Qualitative Approach. Dissertation. Washington University School of Medicine.
  4. Grawburg, M. Howe, T., Worrall, L. & Scarinci, N. (2013). A qualitative investigation into third-party functioning and third-party disability in aphasia: Positive and negative experiences of family members of people with aphasia. Aphasiology, 27: 828-848.
  5. Hilari, K. (2011). The impact of stroke: Are people with aphasia different to those without? Disability and Reabilitation, 33: 211-218.
  6. Howe, T. J., Worrall, L. & Hickson, L, M. H. (2004). What is an aphasia-friendly environment?. Aphasiology 18: 1015-1037.
  7. Kagan, A. & Simmons-Mackie, N. (2013). From My Perspective: Changing the Aphasia Narrative. The ASHA Leader, Vol. 18, 6-8.
  8. Laska, A. C., Hellblom, A., Murray, V., Kahan, T. & Von Arbin, M. (2001). Aphasia in acute stroke and relation to outcome. Journal of Internal Medicine, 249: 413–422.
  9. Maia, A. (2013, Março 27). Portugal é o 6.º país que mais gasta com AVC. Diário de Notícias.
  10. Michallet, B., S. Tétreault, et al. (2003). "The consequences of severe aphasia on the spouses of aphasic people: A description of the adaptation process." Aphasiology 17: 835-859.
  11. Papathannasiou, I. & Coppens, P. (2017). Aphasia and Related Neurogenic Communication Disorders. (2ª ed). Jones & Bartlett Learning.
  12. Rogalski, E. J. & Khayum, B. (2018). A Life Participation Approach to Primary Progressive Aphasia Intervention. Thieme Medical Publishers, Inc. 284-296
  13. Simmons-Mackie, N., & Kagan, A. (2007). Application of the ICF in aphasia. Seminars in Speech and Language, 28: 244–253.
  14. Simmons-Mackie N., Worrall L., Shiggins C., Isaksen J., McMenamin R., Rose T., Guo Y. E. & Wallace S. J. (2019). Beyond the statistics: a research agenda in aphasia awareness. Aphasiology, 34: 458-471.
  15. Fotiadou, D., Northcott, S., Chatzidaki, A. & Hilari, K. (2014). Aphasia blog talk: How does stroke and aphasia affect a person’s social relationships? Aphasiology, 28: 1281–1300

  16. Alborés, N., Attard, M., Worrall, L., Hersh, D., & Banszki, F. (2019). Information About Aphasia for the National Disability Insurance Agency. Australian Aphasia Association. Retirado da Web: https://aphasia.org.au/wp-content/uploads/2019/05/Aphasia-and-the-NDIA-PDFv1.0.pdf